Não desperdice a oportunidade para o crescimento sustentável

A maior parte do mundo está a começar a seguir em frente, recuperando da recessão. Só no Reino Unido, o PIB subiu, o desemprego regista o nível mais baixo desde 2008 e a economia cresceu 2,8% em 2014. A fabricação está a começar a sentir estes benefícios, cristalizados numa subida de negócios. No entanto, o crescimento tem os seus próprios desafios e algo aparentemente tão simples quanto a gestão de águas residuais pode impedir o progresso. Aqui, Mario Kelly, VP da Plataforma de Inovação Wastewater do fornecedor mundial de soluções para Água, Energia e Manutenção NCH Europe, examina as consequências do aumento da carga de efluentes.

Um estudo recente de Research and Markets prevê que a indústria de fabrico e processamento de alimentos e bebidas do Reino Unido atinja um crescimento de três a quatro por cento, para alcançar um valor de £113.1bn em 2018/19. Estes números são a prova da recuperação económica, as sementes de crescimento na fabricação que vai aumentar nos próximos anos. Adicione à mistura processos de automatização em constante evolução e melhoria e não há dúvida que vamos ver um aumento de produção do sector manufatureiro.

Embora isto seja uma excelente notícia para as empresas de fabricação, os consumidores e a economia global, é importante que esta nova onda de crescimento seja sustentável. Qualquer aumento na produção traduz-se num inevitável aumento dos resíduos, mas a incapacidade de escoar o aumento do volume, os custos e a necessidade de licenças associadas podem fazer com que a empresa pare.

Licenciamento e taxas de efluentes

A lei Water Industry Act 1991 regula a eliminação de toda a água utilizada em instalações de produção, lavagem e refrigeração para pequenas e grandes empresas. Em especial, os efluentes de processos industriais e de fabricação são monitorizados atentamente, pois os sólidos suspensos na água podem ter efeitos prejudiciais no ambiente, cursos de água e esgotos.

Por esta razão qualquer empresa que pretenda eliminar efluentes é legalmente obrigada a ter uma licença para o fazer, bem como a pagar uma taxa anual, a qual é determinada pelo nível de contaminação da água. De acordo com esta licença, há vários parâmetros com limites do que pode ser eliminado num período de 24 horas.

Para gerir o impacto no ambiente e para atenuar os efeitos negativos em sistemas de esgoto, fatores como carga orgânica, sólidos suspensos, gorduras e óleos separáveis também estão limitados a níveis específicos por licença.

Manter-se dentro destes parâmetros não é apenas essencial por razões legais; também há custos a considerar. As taxas para a eliminação de efluentes são definidas anualmente e monitorizadas com verificações regulares. A quantia que uma empresa paga é determinada pela média da carência química de oxigénio e os sólidos suspensos na água. Quanto mais elevados os níveis, maior é o custo.

Aumento da produtividade, aumento de resíduos

A atividade extra, quer como resultado de uma empresa agrupar várias dependências num único local ou simplesmente por ter mais trabalho do que o habitual, vai colocar pressão nos sistemas de efluentes da empresa.

Por exemplo, um fabricante de chocolate pode estar mais ocupado durante os meses que precedem o Natal e a Páscoa devido ao aumento do consumo de artigos de chocolate. Uma empresa que desloca a produção de diversas instalações centralizando-a num único local, vai aumentar a pressão sobre um sistema de tratamento de águas estabelecido. Mesmo a atualização de um sistema de automatização pode aumentar significativamente a produção, aumentando drasticamente a carga de efluentes.

Com o aumento das cargas nos sistemas de tratamento de águas e fábricas há menos tempo para tratar sólidos suspensos e outros contaminantes antes da descarga. Isto aumenta os níveis introduzidos no sistema de esgoto ou para o ambiente. Se estes fatores não forem tidos em consideração, as empresas estarão a limitar sua própria produtividade, ficando ainda vulneráveis a multas e ações legais.

Exceder os limites de sólidos suspensos e materiais potencialmente nocivos, declarados numa licença de efluentes para comércio, ao fazer a descarga para esgotos geridos por serviços públicos resultará em multas elevadas. Se uma estação de tratamento de águas ou empresa faz uma descarga direta para o meio ambiente infringindo os níveis acordados, as agências ambientais podem encerrar as instalações e intentar uma ação legal contra o criminoso.

Crescimento sustentável

Mesmo se uma empresa previr um aumento na procura da gestão de águas residuais, adaptar uma licença de efluentes para comércio com vista a permitir níveis mais elevados de contaminação não é um processo fácil ou barato. E se o aumento de negócios for temporário ou inesperado? A empresa deve rejeitar potenciais encomendas?

A gestão inadequada dos programas de tratamento de águas residuais tem o potencial de limitar o crescimento de uma empresa, ao criar barreiras ao aumento da produção ou ao desviar os lucros destinados ao investimento no sentido do relicenciamento ou para melhorar as instalações de tratamento de água.

A solução para acabar com estas limitações assenta em os contaminantes em cargas de efluentes estarem dentro dos níveis licenciados num período de tempo reduzido. Na NCH Europe fizemos um grande investimento em pesquisa e desenvolvimento para criar a tecnologia que responde a esta necessidade.

Enquanto muitos produtos líderes do tratamento permanecem latentes durante muitas horas após a dosagem, as bactérias vivas fornecidas pelos nossos sistemas BioAmp estão ativas a partir do momento que entram na água.

As bactérias utilizadas têm a capacidade de decompor facilmente os hidratos de carbono complexos, proteínas, gorduras animais e alimentares, óleos e gorduras. Isto torna-as eficazes na remoção de resíduos presos e em decomposição que provocam maus cheiros, geralmente como resultado de um bloqueio de gorduras e óleos (FOG) que entope as linhas de drenagem ou caixas de gordura. A solução também decompõe contaminantes que contribuem para a carência bioquímica de oxigénio (CBO), carência química de oxigénio (CQO) e sólidos suspensos (SS), reduzindo o risco de taxas ou infrações.

Uma solução como esta, que pode ser facilmente integrada com os equipamentos de tratamento de águas residuais existentes e pode facilmente ser instalada em locais com espaço restrito, o que significa que os contaminantes são facilmente decompostos sem depender de tecnologia de filtração demorada, eliminando por fim as preocupações com os requisitos legais.

A sustentabilidade é de momento o assunto mais importante discutido pelos governos e empresas, desde a recuperação económica sustentável e crescimento de empresa sustentável à proteção ambiental sustentável. Há muitas coisas que podem inviabilizar a sustentabilidade de uma empresa, mas não há nenhuma necessidade de que o tratamento de águas residuais seja uma delas.