Os desengordurantes não são todos iguais

Chamar Hoover ao nosso aspirador que está debaixo da escada não faz com que ele adquira milagrosamente essa marca. Da mesma forma, temos tendência a agrupar tudo na mesma categoria: os desengordurantes não são todos iguais. Tal como todos os aspiradores são diferentes e têm as suas próprias vantagens, o mesmo acontece com os desengordurantes. Aqui, Peter Crossen, VP da Plataforma de Inovação Maintenance and Partsmaster do fornecedor de soluções para água, energia e manutenção NCH Europe, discute como, apesar da ideia tradicional, os solventes desengordurantes não são a única opção.

Desengordurar é uma parte fundamental das boas práticas de manutenção, pois a sujidade industrial pode estar a cobrir anormalidades ou áreas problemáticas que poderiam originar um tempo de inatividade dispendioso e custos de manutenção mais elevados.

Reduzir os custos de manutenção não é a única forma de os desengordurantes pouparem dinheiro. Bastam 0,25mm de sujidade na bobina de um permutador de calor para aumentar 40 por cento o consumo de eletricidade. No entanto, os engenheiros fabris parecem estar cegos quanto à quantidade de desengordurantes presentes no mercado. Escolher o produto certo para a tarefa é fundamental para capitalizar essas poupanças.

Durante anos, os solventes desengordurantes eram praticamente a única opção disponível. Assim sendo, é fácil perceber por que as empresas têm sido alheias ao desenvolvimento de alternativas de base aquosa. Os desengordurantes de base aquosa usam agentes tensioativos para emulsionar a acumulação de gordura e contêm agentes penetrantes que aumentam a velocidade de desengorduramento.

Comparados com os solventes, podem ser usados com segurança em várias superfícies, como plástico e borracha. Ter pH neutro, como o Aqua-Sol Neutra Split da NCH Europe, também significa que o desengordurante não irá causar danos em nenhuma superfície. Para além de reduzir os riscos potenciais ao manuseá-los ou armazená-los, reduz ainda certos regulamentos relativos a manipulação, transporte, armazenamento e rotulagem.

Os desengordurantes de base aquosa também têm uma excelente relação qualidade/preço. Devido à sua composição são transportados como concentrados e podem ser diluídos eficazmente até 1:500.

Há tanta variedade de desengordurantes de base aquosa que muitas vezes é mais fácil encontrar um que se adeqúe às suas necessidades específicas do que procurar algo com base solvente – e são igualmente eficazes. Por exemplo, a gama Aqua-Sol da NCH Europe inclui um aerossol sem silicatos que pode ser pulverizado de todos os ângulos para limpar eficazmente áreas de difícil acesso e como não tem silicatos é seguro para usar em ou ao redor de superfícies de vidro. O produto também produz espuma para garantir o tempo máximo de contacto na superfície e evitar que escorra em superfícies verticais.

Os desengordurantes de base aquosa também são uma alternativa mais ecológica e segura para trabalhar. Os vapores dos solventes desengordurantes podem causar riscos de saúde por inalação, enquanto que os níveis elevados de COVs (Compostos Orgânicos Voláteis) dos solventes podem significar o incumprimento da legislação sobre armazenamento. Os desengordurantes de base aquosa não representam riscos de inalação, não têm ou têm níveis muito baixos de COV e não são inflamáveis.

No entanto, isto não significa que sejam menos eficazes. Por exemplo, Aqua-Sol Power é o desengordurante mais poderoso que já desenvolvemos na NCH Europe. O produto de base aquosa usa a mais recente tecnologia tensioativa para quebrar até as ligações mais fortes que fixam a sujidade gordurosa às superfícies.

Os desengordurantes de base aquosa também são ideais para a indústria alimentar. Qualquer coisa que seja usada num ambiente de processamento alimentar tem que ser compatível com alimentos para eliminar o risco de contaminação – até mesmo os desengordurantes. Qualquer desengordurante que escolha tem que ter certificação NSF como a gama NCH Europe. Pouquíssimos solventes desengordurantes obtêm esta certificação.

Obviamente, os solventes desengordurantes têm o seu lugar. Na indústria electrónica, por exemplo, certamente não é aconselhável pulverizar um produto que é composto principalmente por água e é essencial que o desengordurante se evapore rapidamente. Por causa destas situações, os desengordurantes de base aquosa não vão substituir por completo os solventes desengordurantes, mas vão oferecer uma maior escolha e ajudarão os engenheiros fabris a fazer o trabalho de forma segura e eficaz e com um impacto reduzido no meio ambiente.

Em geral, a grande maioria das empresas não tem que estar tão dependente de soluções à base de solventes que são prejudiciais ao ambiente. Quanto mais tempo essa dependência durar, mais danos podemos causar ao meio ambiente, já para não falar do espaço que desperdiçamos ao armazená-los em vez de armazenar concentrados, os custos adicionais desnecessários, o permanente risco de dano ao utilizador e o potencial dano para o produto final.

Quando Dyson lançou o seu primeiro aspirador com um design novo, mais eficaz e ecológico, os aspiradores tradicionais Hoover foram postos de lado. Então por que ficar com o modelo antigo quando os avanços na tecnologia de desengordurantes podem oferecer um melhor resultado? Há lugar para desengordurantes de base aquosa, solventes desengordurantes e desengordurantes especializados, mas talvez seja tempo de começarmos a pensar sobre o que é melhor para o trabalho que fazemos em vez de simplesmente optarmos pela tradição.